Nossa História - Pé no Palco
658
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-658,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,qode-content-sidebar-responsive,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-16.9,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.5,vc_responsive

NOSSA HISTÓRIA

“O nosso sonho é que a arte possa, cada vez mais, permear a vida de todos” 

A história da escola Pé no Palco começa em 1995. Em parceria com a Fundação Cultural de Curitiba, Fátima Ortiz inicia as atividades da primeira turma dos Cursos Livres de Teatro, as aulas aconteciam no Teatro Novelas Curitibanas.
No ano de 1998 há uma ampliação muito grande no número de alunos e os cursos passam a funcionar no MUMA (Museu Metropolitano de Arte – atualmente conhecido como Portão Cultural). Os cursos passam a seguir uma metodologia mais elaborada, as turmas são separadas em Juvenil, Básico, Avançado e Aprimoramento, definindo assim uma formação de três anos para promover a profissionalização de alunos/atores. O crescimento das atividades inspira a formação de novos professores e também de uma Companhia estável de Teatro. Em 2001 foi constituída a pessoa jurídica Pé no Palco Atividades artísticas, e a Companhia Pé no Palco – companhia estável de Teatro com a direção e coordenação de Fátima Ortiz. Neste mesmo ano consolidou-se os quatro segmentos de atividades:

 


– Cursos Livres de Teatro
– Apresentações/Workshop/Cursos Especiais/Eventos
– Companhia de Teatro Pé no Palco
– Ação em Valores Humanos

 


Em 2002 com o apoio da Fundação Cultural de Curitiba, o Pé no Palco transfere sua sede para um imóvel de 900m² no bairro Rebouças. Sendo pioneiro na ocupação Cultural do bairro Rebouças, local em que havia um projeto de Governo para se tornar um novo Centro de Lazer e Cultura de Curitiba. Neste mesmo ano foi criada a Associação Civil sem fins lucrativos “Amigos do Pé no Palco – Ação em Valores Humanos” e através dela idealizamos projetos socioculturais com foco no atendimento as crianças e jovens oriundos da rede pública de ensino, expostos a vulnerabilidade socioeconômica. As novas instalações são adequadas para impulsionar todas as atividades idealizadas: seminários, cursos especiais e oficinas, apresentação de espetáculos e promover a integração com Órgãos Oficiais de Cultura e Produtores Culturais Independentes.

 


Nestes dezessete anos de atividades somente na sede Rebouças, foram mais de 1.000 peças encenadas e a realização de mais 18 projetos socioculturais específicos de arte educação.